Emicida, Majur e Pablo Vittar - foto Jeferson Delgado
Emicida, Majur e Pablo Vittar no Theatro Municipal - foto Jeferson Delgado

No discurso mais importante do lançamento de AmarElo no Theatro Municipal de São Paulo, em 27 de novembro, em comemoração ao mês da consciência negra, Emicida evoca o líder indígena Ailton Krenak. Influenciado pelo mestre, fala das próprias fragilidades e do equacionamento delas como “homem coletivo”, dono de “trajetória coletiva”. Sua subida ao palco gigantesco do Municipal, diz, não é uma conquista individual, mas antes a conquista coletiva de todos aqueles que ele representa na subida, massacrados ao longo dos mais de cinco séculos desde a constituição da instituição chamada Brasil. O público mestiço presente, que aplaude estrondosamente cada canção, demonstra concordar com o conceito.

Drik Barbosa - Foto Jeferson Delgado
Drik Barbosa no Theatro Municipal – Foto Jeferson Delgado

Anos atrás, o movimento feminista entrou em confronto com Emicida por conta do samba-rap “Trepadeira” (2013), então considerado machista. Hoje demonstra ter transformado as críticas de então não em raiva e rancor, mas em sabedoria e crescimento. AmarElo (o disco e o show) seria bem menor sem o protagonismo feminino de que desfruta, desde a guitarrista e a percussionista da banda até a maioria das participações especiais e a forte adesão feminina na plateia. A vibrante Drik Barbosa, uma das convidadas, comanda coreografias entusiasmadas na plateia do Municipal, ajudando a compor uma ideia renovadora de circulação palco-plateia. Fernanda Montenegro declama Alphonsus de Guimaraens em off, depois de Emicida vociferar alguns dos versos mais cortantes do CD, de “Ismália” (e Ícaro): “Primeiro cê sequestra eles, rouba eles, mente sobre eles,
nega o deus deles, ofende, separa eles/ se algum sonho ousar correr, cê para ele/ e manda eles debater com a bala que vara eles, mano/ (…) o menino levou 111/ quem disparou usava farda/ quem te acusou nem lá num tava/ é a desunião dos preto junto à visão sagaz de quem tem tudo, menos cor, onde a cor importa demais”.

A emoção de Emicida cresce a cada convidada(o) que sobe ao palco. As canções amorosas de AmarElo ajudam a criar o efeito e o clima. A plateia canta de cor os versos dos raps-canção recém lançados, sobretudo os de “A Ordem Natural das Coisas”, e mais ainda os dos raps mais antigos. O cantor diz que, assim que soube que cantaria no Municipal, soube que não poderia deixar de “meter” “Gueto” (2013) no repertório: “O zé-povinho só pode falar/ mas o mundo todo pode ver/ onde estiver, onde pisar/ nóiz sempre vai ser gueto”.

A euforia diminui um tom quando ele interpreta a crucial “Paisagem”, outro dos momentos mais ferozes de AmarElo: “Reconheça sério que o mal foi sagaz/ como um bom cemitério, tudo está em paz/ em paz/ em paz/ em paz/ em paz/ tudo está em paz”. Até no Theatro Municipal a aparência é de santa paz, embora o protagonista do palco preconize um tipo muito justo e necessário de guerra, a dos oprimidos contra os opressores.

Emicida vive de modo inteligente a crise de identidade de todo artista periférico que ascende ao sucesso. O que pode e deve fazer um rapper depois que se torna rico e famoso? Como não perder a identidade original que o trouxe a essa condição? Este artista responde com “Cananeia, Iguape e Ilha Comprida”, rap-canção de amor familiar, de grande ternura.

Na versão para o Municipal, suprime o momento mais revelador, a gravação caseira em que dialoga com seu bebê, ensinando-o a tocar chocalho. “Não, chocalho tem que ser tocado com vontade, entendeu? Só que sem risadinha, certo? Sem risadinha, porque aqui é o rap, mano, onde o povo é brabo, entendeu?, o povo é mau, mau, mau!”, afirma, diante de gostosas gargalhadas do bebê. “Pra trabalhar nesse emprego de rapper você tem de ser mau!”, completa, rindo também, contagiado. “Será que o Brown passa por isso?”, pergunta, simulando desconsolo. Há muita coisa dita aqui sobre como lidar com o crescimento (e com a decadência) sem perder a ternura.

Anos atrás, Emicida não se relacionava com desenvoltura com (ou contra) a homofobia pregada ao rap (e a tudo no país). Nesta noite no Municipal, ele convoca a cantora trans baiana Majur e a cantora drag queen maranhense não-caricata Pabllo Vittar para dividirem com ele o libelo antidepressão “AmarElo”. É impagável a expressão emocionada de Emicida ao ver a plateia irromper em aplausos para a trans de tez afrobrasileira e para a drag de tez indígena, enquanto cantamos todas juntas os versos agora funkeados de Belchior, “tenho sangrado demais/ tenho chorado pra cachorro/ ano passado eu morri/ mas esse ano eu não morro”.

Homem coletivo de trajetória coletiva, o rapper ascendente exerce os papéis que ainda lhe cabem da forma mais alta e digna. Sobe ao palco, mas traz com ele mulheres, negros, homossexuais, drags, trans, indígenas, zés-povinhos em geral. O público reage consciente de que está mais próximo dos significados por trás do quase sempre eurocêntrico Theatro Municipal do que jamais esteve.

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome