há muitas décadas, os posseiros sobrevoavam o sul da bahia em seus aviões e apontavam: aquela terra ali tem dono?
daí livravam-se dos caiçaras esparsos, pelo bem ou pelo mal, e demarcavam suas novas propriedades.
fazendas que englobam praias inteiras, quilômetros de praias.
hoje em dia, seus herdeiros vendem por milhões de dólares esses paraísos particulares.
os novos ricos proprietários são cantores de axé, apresentadores de TV e até os donos da maior cadeia de TV.
os novos ricos vêm de helicóptero, as praias se tornaram inacessíveis para o povo.

do lado dos ricos, sempre está o poder em suas múltiplas formas (a justiça, a polícia à paisana, o estado, a tropa de choque – vejam o caso do pinheirinho, em são josé dos campos.

recentemente, um grupo hoteleiro português comprou a praia da engenhoca, em itacaré.
sem cerimônia, começou a instalar ali aquele que seria o mais impressionante hotel 6 estrelas do país.
construiu um elevador subterrâneo do ponto mais alto até o centro da terra, com uma saída para sua praia privada.
tipo um elevador lacerda privê.
toneladas de concreto, ferro e mármore irromperam no meio de uma das últimas reservas de mata atlântica do país.
mas houve uma reação, o monstrengo foi interditado pelo ibama e pelos órgãos de patrimônio ambiental.
contam que já tinham gastado R$ 100 milhões.

para a população, diziam que geraria cerca de 2 mil empregos.
isso equivale a fazer um sinal no estádio lotado de 100 mil corinthianos insinuando que o juiz tá roubando.
os corinthianos ficam furiosos, querem matar o juiz.
mas não teve apelação, a obra foi interrompida.

de dentro da mata, na trilha, as suítes surgem como colossais esqueletos de dinossauros.
uma barbárie foi cometida.
um país que quer ser grande não devia se sujeitar à burrice dos caprichos dessa gente pequena.

AnteriorA Mangueira de Xangô (e de todos os orixás)
Próximoroda viva
Jotabê Medeiros, paraibano de Sumé, é repórter de jornalismo cultural desde 1986 e escritor, autor de Belchior - Apenas um Rapaz Latino-Americano (Todavia, 2017), Raul Seixas - Não diga que a canção está perdida (Todavia, 2019) e Roberto Carlos - Por isso essa voz tamanha (Todavia, 2021)

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome