terça-feira, outubro 15, 2019

Canções em busca de liberdade

Ícones da música popular brasileira contam, com suas próprias palavras, o que pensam (ou pensavam) sobre limitação de liberdade de expressão, censura e opressão por parte dos mais poderosos. Mas eis que chega a roda viva e... 1. Chico Buarque, "Corrente" (1976) - nas construções ao gosto de Chico, os versos se encadeavam, se desencadeavam, mudavam de ordem e revelavam o...

Nada é por acaso

O poeta Antonio Carlos Alvim. Foto: Eduardo Júlio
Para certas coisas não há tempo certo, acontecem quando e como têm que acontecer. Nada explica o, até aqui, ineditismo em livro do poeta Antonio Carlos Alvim, um dos mais talentosos de sua geração, a Akademia dos Párias que agitou a cena da ilha de São Luís, capital do estado do Maranhão, que tirou a gravata da poesia e...

“A História não acabou”

O jornalista e escritor Mário Magalhães. Retrato: Daniel Ramalho/ Divulgação
O jornalista e escritor Mário Magalhães participa hoje (26) de mais uma edição do Diálogos Insurgentes, evento promovido pela Secretaria de Estado dos Direitos Humanos e Participação Popular (Sedihpop). Repórter tarimbado, Mário Magalhães é autor de “Marighella – O guerrilheiro que incendiou o mundo” (Companhia das Letras, 2012), em que se baseia o filme dirigido por Wagner Moura e estrelado...

A assembléia das nações desunidas

Transmitido aos interessados de mão em mão, em cópias precárias, desde 1968, o lendário livro As Nações Unidas, do escritor, dramaturgo, cenógrafo, cineasta e arquiteto José Agrippino de Paula (1937-2007) ganha sua primeira edição após 51 anos. Agrippino foi um guru tropicalista que produziu obras referenciais nos anos 1960 e 1970, como o livro Panamérica (citado por Caetano Veloso...

Acorda, amor!

Numa bonita canção dos anos 1970 chamada "Acorda, amor", Chico Buarque cantava uma letra na qual os ditadores aterrorizavam seu sono. Desesperado diante "da dura", Chico acordava a parceira e contava-lhe o pesadelo que, ao final da canção, percebia-se ser realidade e não sonho.  Visado pela censura, Chico assinou com o pseudônimo Julinho da Adelaide, em parceria com um...

Rita Lee, senhora dona de si

Perto de completar 69 anos, Rita Lee pode ser considerada uma pioneira profissional. Desde se consolidar como jovem inventora tropicalista, rara mulher brasileira compositora a partir do rock nos anos 1960 e 1970 e reivindicadora de liberdades femininas por intermédio da composição pop, a artista paulistana vem transgredindo normas e tabus de maneira peculiar, frequentemente entre trancos e barrancos. Rita Lee -...

Fora Temer volta Belchior

1. Jotabê "Para mim, a beleza é um subproduto da arte", disse o compositor e cantor cearense Belchior em 1976, no auge da fama e do prestígio devidos ao acolhimento das canções "Como Nossos Pais" e "Velha Roupa Colorida" por Elis Regina e ao álbum próprio Alucinação. Antes de qualquer coisa, é preciso dizer que é sobre este artista que estamos falando, a propósito da edição...

Não devia ser proibido

Desde a morte de meu pai, Itamar Assumpção, em 2003, eu e minha pequena família de mulheres estamos articulando, orientando, organizando e disponibilizando ao público seu legado musical, baseadas, principalmente, no que absorvemos do pensamento artístico de Itamar. Algumas ações executadas foram fundamentais para que esse processo se consolidasse com força: o lançamento do disco gravado com Naná Vasconcelos, Isso Vai Dar Repercussão, em 2004,...

De volta aos tambores de São Luís

O escritor Josué Montello. Acervo CCJM
Os tambores de São Luís. Capa. Reprodução O grande romance de Josué Montello (1917-2006) sobre a escravidão, “Os tambores de São Luís” , terá nova edição lançada hoje, em solenidade na Casa de Cultura Josué Montello (CCJM, Rua das Hortas, 327, Centro), órgão vinculado à Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão (Secma)....

Blog do PAS: Você escolheu errado seu supervilão

O debate cultural vive dias vertiginosos no Brasil. Enquanto escrevo estas palavras já deve ter acontecido um monte de coisa nova. Vivemos um momento iluminado - ainda que seja crescente a impressão de estarmos dentro de um trem desgovernado. O instante é propício para eu reativar o velho "blog do PAS", agora na casa FAROFAFÁ/CartaCapital - e, sobretudo, para que tentemos raciocinar...