quinta-feira, setembro 19, 2019

O ódio guardado em Melodia

"Se a gente falasse menos/ talvez compreendesse mais/ teatro, boate, cinema/ qualquer prazer não satisfaz/ palavra figura de espanto quanto/ na Terra tento descansar." É fácil falar isto só depois da morte de Luiz Melodia, quando não há mais tempo, mas se a gente falasse menos e escutasse mais provavelmente teríamos compreendido um pouco mais sobre nós mesmos através das...

Ventando contra a corrente

Era um festival musical como qualquer outro, mas com algumas peculiaridades. A terceira edição do independente Vento Festival aconteceu entre 15 e 18 de junho no centro algo desvalorizado da cidade litorânea paulista de São Sebastião, o que amplificou e democratizou o alcance de público em relação às duas edições anteriores. Até 2016, o festival acontecia na elitizada ilha-município vizinha...

Caminhando a favor do vento

Setores majoritários da campanha e a mídia inteira preferem que o movimento seja apartidário, mas o Dom Quixote anônimo está de pé no largo da Batata, determinado a confrontar os moinhos movidos pelo vento que venta em efeito manada. O militante veterano vende a R$ 20 exemplares de um livro elucidativo sobre o golpe de Estado que em 1973...

Eta, eta, eta, diretas (*)

O produtor cultural Ivan Cosenza de Souza, de 47 anos, vende camisetas com ilustrações pró-democracia numa banquinha improvisada na praia de Copacabana, no domingo brumoso de 28 de maio. Filho do cartunista Henfil (1944-1988), ele aproveita o show coletivo de música brasileira em prol do restabelecimento de eleições democráticas pós-golpe de Estado para comercializar estampas criadas pelo pai há...

Respeita as mina!

Mulher-síntese, Elza Soares fornece a poderosa imagem final do videoclipe "Respeita", da compositora, cantora e atriz paulistana Ana Cañas. Mulher do princípio do mundo, Elza oferece os lábios marcados para pronunciar a última palavra dos dizeres finais da canção: "Respeita as mina, porra!". Publicado no YouTube em 13 de maio, dia de abolições, "Respeita" nasce como um marco da música brasileira...

A caixinha de sonhos de Almério

"Poxa, a gente pode fazer música?" foi a pergunta que o pequeno Almério se fez quando ouviu uma vizinha tocar violão. Nascia ali, na cidade natal de Altinho (PE), o artista, que se mudaria aos 20 anos para Caruaru munido de sua "caixinha de sonhos", para trabalhar numa banca de revistas. Hoje, aos 36 anos, ele vive entre essa...

Linn das Quebradas

"O seu corpo é uma ocupação", descreve-se em terceira pessoa a artista paulistana Linn da Quebrada, no vídeo BlasFêmea. Autora de sucessos em tempo de funk carioca (ou melhor, brasileiro) como Bixa Preta e Enviadescer, ela descreve a obra mais radical de sua ainda breve história como "experimento audiovisual", que engloba, mas não se restringe ao videoclipe da canção...

Eliane Caffé: cineasta, mulher, militante

Diretora experiente de Kenoma (1998), Os Narradores de Javé (2002), O Sol do Meio-Dia (2009) e Céu sem Eternidade (2011), a cineasta paulistana Eliane Caffé fala abaixo sobre a experiência polifônica de construir Era o Hotel Cambridge (leia reportagem completa na edição 944 da revista CartaCapital) - e sobre arte, feminismo, política e ativismo.   Pedro Alexandre Sanches: O modo como o filme mistura ficção e...

Liberdade, um “mau” exemplo

"Uma escola que cultua a liberdade não tem lugar: seria um mau exemplo." Assim a pesquisadora Rachel Valença, co-autora do livro Serra, Serrinha, Serrano - O Império do Samba, sintetiza as tramas que afastaram o Império Serrano, nas últimas décadas, do clube seleto das escolas de samba com lugar garantido no topo do Carnaval globalizado do Rio de Janeiro. Na entrevista...

Uma escola de samba

No sábado de Carnaval de 2017 (*), uma escola de samba do segundo grupo carioca desfilou um enredo denominado Meu Quintal É Maior do Que o Mundo, em homenagem ao poeta pantaneiro Manoel de Barros. A escola está fora de moda (como talvez também esteja Manoel de Barros, nestes tempos de Roberto Freire não-ministro da não-Cultura), mas vive uma...