É evidente que um ator não pode ser sequestrado por um único papel. É uma maldição pesada.

Mas o holandês Rutger Hauer foi, assim como muitos outros.

Eu não consigo imaginar John Cazale em outra função no mundo que não a de Fredo Corleone, o trágico filho condenado a suplicar por migalhas de protagonismo na famiglia.

Assim como ninguém tira o corpo de Eli Wallach do biotipo de Tuco em O Bom, o Feio e o Mau, um dos maiores westerns da História.

Um grande filme se amolda a um grande ator. Rutger Hauer teve a sorte de ser um anti-herói trágico em um dos maiores filmes de nosso tempo, Blade Runner – O Caçador de Androides. Só no Cine Vila Rica, em Londrina , eu vi umas seis vezes.

Ele será eternamente Roy, o humanoide punk que declama versos involuntários enquanto busca a chave de sua humanidade num mundo absolutamente desprovido de humanidade. Nesse papel, Rutger Hauer relativizou a noção binária de crueldade: quem é mais perverso, os que forjam as guerras e põem os inocentes nelas para morrer em seu lugar ou o louco que emerge delas em busca do seu sentido?

As leituras superficiais do cinema projetaram o ator holandês como um vilão, com olhar de psicopata de best-seller, amoldando-se ao vampiro, ao violador de castelos & ninfas, ao oficial nazista. Mas é evidente que Hauer tinha uma versatilidade impressionante, carregava tensão nos movimentos – talvez seu papel mais complexo, além de Blade Runner, tenha sido em Flesh & Blood, num enfrentamento épico com Jennifer Jason Leigh.

É o clichê dos clichês, mas sua despedida em Blade Runner pode funcionar perfeitamente como sua despedida, aos 75 anos, desse Vale de Lágrimas no qual vivemos atualmente:

“Eu vi coisas que vocês homens nunca acreditariam. Naves de guerra em chamas na constelação de Orion. Vi raios-C resplandecentes no escuro perto do Portal de Tannhaüser. Todos esses momentos se perderão no tempo, como lágrimas na chuva. Hora de morrer”.

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome