FicaverãoA Itaipava iniciou uma campanha paga no Twitter, com a hashtag #ficaverão. Melhor seria a empresa ter seguido o que sua própria propaganda diz: “Vai, Verão, vai verão”. Por meses, a bailarina Aline Riscado foi exposta à condição de mulher-objeto e até o último momento a equipe de marketing insiste num grande equívoco. Eis as razões:

– A brasileira não é só um corpo escultural para atiçar os instintos primitivos de machos preguiçosos e tarados sentados numa praia qualquer.
– O comercial agride às mulheres em geral, por inúmeras razões, a começar pelo fato de que ela não é uma serviçal dos homens. A propaganda nega direitos já conquistados pelo sexo feminino.
– Por que uma cerveja precisa de uma mulher gostosa (é disso que se trata, não?) em roupas curtíssimas para aumentar as vendas da bebida? Nenhuma mulher deveria ser usada para atrair homens para o consumo. Aliás, qual a dificuladade de as marcas tratarem as pessoas com inteligência?
– Não são apenas homens que consomem cerveja. Mulheres também. Já parou para pensar nisso? A empresa teria coragem de criar uma versão com um homem-objeto? Antes que pensem nisso, uma versão masculina é tão equivocada quanto.
– Deve uma publicidade mexer com o imaginário coletivo e construir verdades a partir de um estereótipo que já deveria ter sido sepultado no século 20?
– A propaganda brasileira precisa parar de tratar mulheres, negros e pobres como seres inferiores. O comercial da Vivo em que o garoto-propaganda ruivo conversa com um homem do interior e retrata a sua família como apenas reprodutores segue a mesma linha.
– Mulheres não precisam, nem devem ser tratadas pelo superlativo, sobretudo por aqueles que as qualificam como uma mercadoria ou por seus atributos físicos.
– A equipe de marketing da empresa é tão desastrosa que usou robôs para responder à campanha patrocinada #ficaverão. Virou motivo de chacota nas redes sociais.
– “Verão” está recebendo bem por estrelar esse comercial e até topou participar de uma última (muitos torcem que seja realmente a última) campanha, com um vídeo de 20 segundos em que pede para ficar. É um trabalho, sim. Mas Aline, acredite, #vaiverão é o que de melhor pode acontecer em sua vida.

59 COMENTÁRIOS

  1. E não são as mulheres que se objeificam como pedaços de carne descendo até o chão e querendo ser a cachorra mais gostosa? Se matam em academias querendo ficar iguais à garota do comercial? Se matando em academias e pagando fortunas por um bisturi milagroso? Pelas letras dos funks que tanto pregam como liberdade feminina fico pensando se além de serviçais não são também depósitos de esperma…no verão,no inverno,no carnaval……..

    • É isso mesmo, se as mulheres se dessem mais valor não seriam usadas assim. Quantas até
      morrem ou ficam mutiladas para parecerem uma Verâo, justamente para trabalharem num Faustão. Paniquetes, posarem para Playboy e outras culturas inuteis da TV?

    • Mandou super bem no comentário! A abordagem, para não soar como feminista e, visivelmente sem sustentação de uma análise sociológica decente, apenas vilaniza o homem e a empresa de marketing sem abordar o comportamento feminino atual. Uma coisa não sobrevive sem a outra, portanto, o tal respeito preconizado na matéria deve começar por elas mesmas. Por outro lado, a matéria poderia ser ampliada e falar sobre os verdadeiros golpes aplicados pela propaganda brasileira. Os produtos vendidos são mesmo o que dizem ser? Alimentos principalmente.

    • 1 – Estamos numa sociedade machista que impôs, numa construção histórica e social, a mulher deve estar sempre adequada ao padrão imposto por um homem ou um grupo de homens. Como se fosse condição sine qua non para a mulher ser alguma coisa, estar sempre com pouca ou muita roupa.

      2- Já parou para pensar que as mulheres vão às academias simplesmente porque exercitar-se e saudável, e que elas estão pouco se fodendo para o que machistas de intelecto soberbamente reduzido pensam ou deixam de pensar sobre seus corpos?

    • É verdade, realmente a própria mulher tem boa parcela da culpa de serem (por vezes) tratadas como objetos. E só para lembrar temos o homem-objeto na propaganda de presunto. Quando o assunto é dinheiro ninguém dar a mínima pra moral.

  2. Bom dia Eduardo. Adorei seu artigo. Sempre achei a propaganda apelativa demais e aviltante, mas se eu , nas minha idade falasse qualquer coisa, alguém diria que é despeito porque não tenho a idade e a beleza da estrela do comercial. Sim. Por que a estrela acabou sendo a moça e não mais a cerveja. Com relação à exposição da mulher detesto que seja desta forma, tanto quando fazem isto nos comerciais e nos programas de tv, carnaval, etc. Depois reclamam dos estrangeiros que veem parra o Brasil atrás do sexo fácil, pois é isto que pensam, e não lhes tiro a razão de assim pensarem que é de fato o que se consegue por aqui.

  3. Vamos parar com essa merda de mulher objeto….dessa merda de defesa extrema a minorias dessa merda de mulheres sexo fragil e sao exploradas pelo marketing, porra de nada faz porque gosta quer dinheiro, fazem essas propagandas e muitas outras coisas por dinheiro agora pergunte se preferem um emprego de 1.000,00 por.mês ou um comercial de 10.000,00 ou mais de uma unica vez e ainda ficarem famosas mostrando alguma coisa q pelo que eu vi nesse verao ai nao tem nada demais aqui tem um monte desse naipe….vao a merda

  4. Estas são as tuas opiniões.
    PRA MIM, esta ótimo como esta, gostaria que tivesse mais propagandas com mulheres, melhor ainda; só com mulheres.
    Tu escreve por que a propaganda é da pequena Itaipava, por que tu não escreveu repudiando as outras cervejarias que também usaram o mesmo esteriótipo?
    Na minha opinião, estão usando uma formula que deu certo com as outras, tomara que não façam o mesmo com pagode, samba e outros tipos de música.
    Nosso pais é muito “sexualizado”, basta ver um pouco de tv (digo rede Globo), pra ver a apelação sexual que impera na grade da programação, todo dia tem alguém assumindo homossexualidade, foto de pessoas semi-nuas, troca de cassais e outras coisas e a internet então? Nem se fala.

  5. Caro amigo, eu sugiro fazer esta pergunta para a atriz que fez o comercial. será que ela está preocupada com a “exposição de mulher-objeto” ou com o cachê que ela embolsou?

  6. Como alguém consegue escrever tantas besteira em tão pouco espaço?

    -Chamar “garçonete” de serviçal de homens!
    -Querer que a mesma esteja de trajes comportados numa praia!
    -Querer que as propagandas de cerveja sejam filosóficas ! Filosofia sai depois da 3ª garrafa rs
    -Achar que o binômio modelos atraentes e produtos seja um estereótipo ultrapassado.
    -O comercial da Vivo remete ao antigo ditado ” Não tem televisão em casa?” e é pertinente ao produto oferecido.
    -Mulheres amam ter seus superlativos admirados e invejados , ou não ficariam horas em -academias e salões de beleza. Pergunte a elas?
    -E para finalizar, deveria perguntar às mulheres, qual delas não gostaria de estar no lugar da Aline Riscado, ou melhor, ser fisicamente uma Aline Riscado?

    • Caro Sr. Por favor não confunda as mulheres em geral com algumas por aí. Lhe digo quem não aceitaria de forma alguma estar no lugar desta moça: Minha mãe, minha esposa, nossas filhas, madre Teresa de Calcutá, minhas avós, sua mãe e todas as mulheres descentes desse planeta terra. Este tipo de coisas são para as inconsequentes, as mulheres de verdade preferem estudar e trabalhar dignamente para ganhar a vida ao invés de apenas vender o corpo. As de verdade vendem sua capacidade de trabalho e não contribuem de forma alguma para o aumento da prostituição como algumas apoiadas por idiotas como você e pela mídia.

  7. Acho que essa discusão sobre mulher-objeto, homem-objeto, no âmbito da propaganda está um tanto parcial. Hoje em dia existe uma corrente de pensamento feminista que comete muitos exageros. Na minha humilde opinião, criticar a propaganda da Itaipava é um deles.
    Não bebo essa cerveja, apenas para deixar claro.
    Gostaria de saber a opinião das pessoas sobre as propagandas que retratam o homem de maneira não politicamente correta. Exemplo desse tipo de propaganda: aplicativo iFood. Nesse material, o homem é tratado como incapaz e imaturo pela mulher.
    É inadequado somente quando atinge as mulheres ou também é inadequado quando atinge os homens?

    • Nao acho que seja a mesma coisa. As feministas questionam “milênios” de cotidianas discriminações que rotulam a mulher sempre como a mais fraca, com a necessidade de um homem para completa-la, suprindo suas “deficiências”. A mulher funcional para a sociedade ainda é a mulher calma, permissiva com as necessidades e desejos masculinos, bonita, gostosa e de preferência que ganhe menos que seu marido. Pode não ser o que alguns leitores daqui pensam, mas ainda é a forma de pensar da imensa maioria das pessoas. No caso do ifood, é apenas uma “réplica” bem humorada ao caso, ou seja, a mulher esperta e descolada vs o namorado mangolão.

      Quanto a ela saber que seu corpo é um objeto para a maioria dos consumidores, entendo que ela deve pouco se lixar para isso. Concordar ou não com isso não vem ao caso. Ela está vendendo um produto que só é “comprado”, por que tem público para isso.

  8. cara, fala sério! Esses comentários foram machistas. Uma mulher não se resume a isso! Claro que não, né! Quando se trabalha com publicidade há uma antecipação do desejo. Que neste caso é o desejo de praia, moer e cerveja. O trio gostoso!
    Uma mulher se sentir desejada não é errado. O homem desejar uma mulher, tampouco. Sai dessa! Ninguém bebe mais cerveja porque a mulher é mais gostosa. É uma situação interessante para os consumidores do produto.
    Esse papo não está com nada. Pense outra vez.

  9. Ao vermos Aline Riscado na propaganda da cerveja, pelo menos nos deixa sorrindo com sua beleza e nos faz esquecer por um instante, a desgraça de Governo que está nos afundando a cada dia. Por favor, vamos comentar coisas sérias e deixar de criticar o colírio Aline.

  10. O publicitário usa uma personagem com o nome de “VERA” e a coloca no aumentativo “VERÃO” para mostrar uma mulher grandiosa, como estrela, brilhosa que trabalha em uma profissão como qualquer outra: A GARÇONETE, que coincidentemente tem o nome de Vera e é trabalhadora, alegre e feliz.
    A tara, o objeto, a prostituição está na cabeça de quem escreveu esta opinião acima.

  11. Quando vi esta propaganda não gostei,pensei: então eles vão vender mais, se colocarem uma gostosa indo e voltando com a cerveja? Tenho dúvidas, porém o que mais chateou é a mulher dona de casa, indo buscar o marido neste tal comercial, menosprezando a condição de uma mulher simples, dona de casa e que o que ela menos quer é ter um marido no bar, valorizando outra mulher…

  12. Acho tudo isso besteira e acredito que esse colunista e a própria equipe de marketing recebeu foi reclamação de feministas que são solteironas, feias e por que não dizer mal amadas com inveja da bailarina que faz esse personagem. Pois no nosso dia a dia vemos muitos fatos aonde usam mulheres bonitas para atrair homens e cito exemplos que são as boates e casas de shows que permitem mulheres bonitas entrarem sem pagar para que atraiam homens para consumir dentro desses locais e até escolas carnavalescas que usam desse artificio para chamar a atenção. E quem bebe cerveja já tem a sua preferida pelo gosta que ela apresenta.

  13. Fica muito claro o quanto as Agencias Publicitárias deste paìs, são preconceituosas, racistas e sem criatividade, pois na hora de vender uma simples cerveja, mostram todos estes adjetivos em um unico comercial. Poderia citar outros que existem por aì, mas o leitor com certeza já sabe quais são.
    Existe uma falácia nos meios de comunicação que tentam transformar publicitários em Deuses da Craição Intelectual. Podemos perceber o quanto isto é mentiroso no meio da comunicação comercial.

  14. Realmente, essa propaganda do “Vai, verão” é de doer. Eu, que sou homem, me sinto desconfortável assistindo, imagino as mulheres… Um verdadeiro absurdo!

  15. Nem tão exposta assim, está a bailarina Aline Riscado, na propaganda da Itaipava, Ela apenas sugere. Existem outras propagandas de outros produtos bem mais agressivas, não ?!
    Os que estão reclamando, ou não gostam de mulher, ou então são as feministas achando-se no direito de impedir a bailarina, ganhar a sua vida honestamente, despertando interesse dos homens pelas mulheres, que eu acho, por sinal, deveriam agradecê-la por isso, já que a maioria de vocês, devem ter ganhado várias noites de amor, talvez intenso, pelo incentivo dado pela propaganda.(rsrsrsrs)
    Não se esqueçam, sobre tudo, que homens e mulheres, foram feitos um para o outro.

  16. Mulher-objeto? Fala sério! Fale para aquelas mulheres maravilhosas, siliconadas, que passam horas e horas nas academias malhando os glúteos e as coxas que elas são mulheres-objeto. E espere a resposta, claro.

  17. Alguem já perguntou a modelo da propaganda se ela foi forçada, coagida ou ameaçada para participar do comercial? Ora bolas, tem muitos hipócritas de plantão que consomem qualquer coisa e também vendem tudo que é negocio, depois posa de defensores de liberdades e bons costumes. Esses hipócritas deveriam olhar para o próprio rabo. Tem milhares de mulheres babando e sonhando com uma oportunidade dessas, como não conseguem, morrem de injeva das gostosas que aparecem na televisão, então começam a falar de direitos, liberdades e demais baboseiras.

  18. Quem fez essa matéria é um inútil. ….tem bordões que vem para ficar….para com essa palhaçada de que a mulher é esposta a isso ou aquilo….mulher meu amigo sempre foi e sempre será a coisa mais linda de se ver…..FICA VERÃO

  19. Interessante. A mulherada, como bem esclareceu nosso amigo, em seu sábio comentário. Se vende e, ganha bem, diga-se de passagem, com isso. E não está nem aí. Aí vem um monte de defensores da moral, bons costumes, direitos das mulheres, dos inocentes… De todo o mundo, que na verdade está se lixando. Para defender as coitadinhas. Bem, eu não tomo cerveja mas gosto muito de mulher. Como também respeito o próximo, sendo assim, acredito que, cada um, dá o que tem de melhor, mostra o que tem de melhor e ganha a vida com o que tem de melhor. Poderíamos deixar que, aqueles (as) que desejam se projetar pelo intelecto o façam. Assim como deveríamos deixar aqueles(as) que querem ganhar a vida com a imagem também? Afinal, se é no meu olho que a pimenta arde, não sou eu quem deve fechar os olhos?

  20. MEU IRMÃO POR ACASO A BUNDA É SUA ?! ELA FOI MUITO BEM PAGA PRA MOSTRAR O RABO! E EU GOSTEI MUITO DE VER! MULHER BONITA SEMPRE VAI SER OBJETO DE DESEJO! MELHOR DO QUE VER DOIS MARMANJOS SE BEIJANDO!

  21. Meu irmão por acaso i rabo é seu?! Ela foi muito bem paga pra mostrar o rabo! Mulher bonita sempre vai ser objeto de desejo! E e bem melhor do ver dois marmanjos se beijando!

  22. Percebi que a maioria dos comentários foram contra a opinião do autor.
    Suponho que não tenham entendido a essência da crítica. Quando o autor defende a classe “mulher”, não esta individualizando um grupo de mulheres que desejam se submeter as condições aqui expostas, mas sim ao gênero como um todo, mães, filhas, esposas e inúmeras outras que merecem respeito como mulher, inclusive a moça da propaganda, que por mais que faça parte daquele grupo (que esta mais preocupado com o ganhar dinheiro, independente da exposição), esta alheia à sua posição como mulher e olha que não estou dizendo que ela esta errada… mas ai já seria exigir muito do intelecto dos comentarias opositores ao autor. Ha momentos que “uma pessoa” precisa ser “salva” mesmo sem saber do que. Perdoai-os, pois não sabem o que fazem, é apropriado pra este momento.

  23. E para os que ainda têm duvidas do que estou falando, basta ler os comentários das mulheres.
    Merecem respeito desses comentaristas machistas que só podem ser pessoas que tendem a pensar apenas em si, em todas as outras situações da vida.

  24. quanta gente burra – ou que se faz de burra – nesses comentários. A questão não é se a bailarina ganhou ou não ganhou dinheiro, isso é problema dela. A questão não se resume só a ela. Esse comercial, assim como milhões de outros, objetificam as mulheres. Ela só está lá para ser olhada, a grande “qualidade” dela é a bunda grande. Mais uma vez, a mulher é mostrada como um corpo, uma bunda, peitos. É só assim que ela é representada. Não fica muito difícil chegar a conclusão que isso reforça esteriótipos, rebaixa a mulher, retira sua humanidade e deixa só a carcaça. E assim a mulher é representada há séculos. É constrangedor para mim como mulher ter uma propaganda dessa em pleno 2015.
    Quanto aos que dizem que querem ver cada vez mais mulheres mostrando o corpo em propagandas…bom, vocês não são muito inteligentes, né? Parece ser tão fácil ser publicitário no Brasil…

  25. Parece que todo mundo aqui é o dono da verdade… Temos o livre arbítrio, gente. Se a bailarina, por seu talento, foi convidada pra fazer este comercial, tudo está harmonioso! Ela, que investiu na carreira, está obtendo seu retorno e nós (pelo menos aqueles que apreciam o que é belo) temos a oportunidade de assistir uma propaganda com belas imagens! Quem não gosta ou sente-se ofendido, basta não assistir. É pura frescura essas críticas. Mas, opinião é opinião e só nos resta respeitar e… VIDA QUE SEGUE!

  26. Meu caro,

    Desastrosa também foi a sua afirmação: “Mas Aline, acredite, #vaiverão é o que de melhor pode acontecer em sua vida.” Não trate a moça como ser inferior, duvidando da capacidade dela ser algo mais do que “vaiverão”. Não faça como a propaganda brasileira, afinal você falou: “A propaganda brasileira precisa parar de tratar mulheres, negros e pobres como seres inferiores.”

    • Você fugiu das aulas de redação no colégio? O que o autor do texto quis sugerir com a frase ” #vaiverão é o que de melhor pode acontecer em sua vida” ???????? Ele sugere à atriz que é melhor para ela que essa fase com a propaganda da cerveja passe logo, que é para diminuir o estrago na imagem da sua (dela) profissional. É um contraponto inteligente e bem humorado à tentativa da cervejaria de estender ainda mais essa ridícula e constrangedora campanha do “verão”. Entendeu ou precisa desenhar?

  27. O preconceito está na cabeça do telespectador. A propaganda deixa no ar uma idéia, não afirma e nem induz ninguém, expõe uma situação. Se o preconceito brasileiro se resumisse nesta propaganda, não teriamos preconceito!!!

  28. Inveja de femiNAZIS frustradas;

    trabalho como outro qualquer, não vejo incoerência nenhuma. “Meu corpo, minhas regras”: o corpo é dela; logo, tem o direito sobre ou será que o “meu corpo, minhas regras” só vale para o que beneficia “a Causa”?

    No mais… Uma mulher bonita dessas combina mesmo com uma cervejinha gelada!

  29. aff … nada a ver isso, foi um trabalho e só, não menospreze a moça por isso, q culpa ela tem de ser linda e ter um corpão daquele ????
    E garçonetes não são objetos, são pagas pra isso, eu sou, recebo por isso e sou muito respeitada no meu local de trabalho, pára de querer enfiar minhoca na cabeça dos outros, machista !!!!

  30. Que as invejosas me perdoem, mas…. #ficaverão, tem mais… segundo pesquisas feitas com rapazes ociosos sentados em quiosques pela orla da praia, as mulheres que se sentem objeto são as feiosas, porque as gatas sempre estão no comando.

  31. É simples o cálculo. Sociedade machista, racista, homofóbica e elitista = propaganda machista, racista homofóbica e elitista. De todos os anúncios, as propagandas de cerveja são as que mais carregam no quesito apelação e mau gosto. São anúncios produzidos especialmente por e para intelectos limitados, que não percebem o quanto é ofensivo neutralizar a pessoa humana, em todas as suas potencialidades, a um pedaço de carne para ser exibido ao prazer e ao deleite do macho dominante e seus apaniguados.

  32. Caramba. Tá cheio de zé-ruela alienado aqui. Como alguém disse em outro comentário: tem gente que precisa ser salvo mesmo sem saber de quê. Serve para a tal Aline Riscado, para o batalhão de tontas que acham o máximo serem tratadas como um objeto. E serve principalmente para os pacóvios que vêm aqui apoiar aquele tipo de propaganda apelativa e depois saem pela tangente chamando de viado ou de frustrada quem não comunga com essa bobagem. Pra esse tipo de gente, encher a pança de cerveja fazendo comentários sexistas pseudo-inteligentes em algum bar com um monte de tv plana transmitindo futebol deve ser máximo.

    • Fiquei também surpreso porque os favoráveis ao comercial tratam a questão como se ela fosse uma mera questão individual. Resolve-se todos os problemas sociais de uma só vez. Cada um que cuide de sua vida, é o que estão dizendo

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome